Notícias

Em Portugal, Lula ataca golpistas e guerra na Ucrânia

Em sessão tumultuada por interrupções de deputados conservadores da ultradireita, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) discursou no Parlamento de Portugal nesta terça (25), data em que se comemoram 49 anos da Revolução dos Cravos, que pôs fim à ditadura no país.
Enquanto o presidente brasileiro falava, os 12 deputados da bancada do partido Chega, apoiador da ditadura, ficaram de pé, segurando cartazes com a bandeira da Ucrânia e com a frase “chega de corrupção”.
O grupo também passou a bater nas mesas e a fazer barulhos para atrapalhar o pronunciamento do petista. Líder do Chega, o deputado André Ventura é apoiador declarado do ex-presidente Jair Bolsonaro.STF julga nova leva de denúncias contra golpistas
Apesar das ações, Lula seguiu com sua fala, na qual relacionou a Revolução dos Cravos e os anos do Brasil sob Bolsonaro. “Saudosos do autoritarismo tentaram atrasar o relógio em 50 anos e reverter as liberdades que conquistamos. Os portugueses assistiram a tudo, preocupados com a possibilidade de que o Brasil desse as costas ao mundo”, disse.
Lula também voltou a falar sobre a Guerra da Ucrânia, tema que dominou os primeiros dias de sua viagem à Europa. O petista criticou soluções militares para conflitos e voltou a pedir paz —desta vez sem igualar as responsabilidades de Kiev e Moscou no conflito, argumento que ele evocou em viagem à Abu Dhabi e gerou indignação na comunidade internacional.
“Quem acredita em soluções militares para os problemas atuais luta contra os ventos da história. Nenhuma solução de qualquer conflito, nacional ou internacional, será duradoura se não for baseada no diálogo e na negociação política”, declarou.Moraes mantém prisão de Torres sobre ataques de 8/1
Dando continuidade aos seus esforços para suavizar o tom em relação aos enfrentamentos no Leste Europeu, o petista ainda voltou a condenar a violação à integridade territorial ucraniana pela Rússia.
Enquanto deputados de esquerda aplaudiam constantemente as intervenções de Lula, parlamentares da centro-direita foram mais comedidos. Do lado de fora do Parlamento, as demonstrações de polarização se repetiam, com mais de uma centena de manifestantes convocados pelo Chega protestando contra a presença de Lula e ativistas a favor do petista mobilizados no entorno do prédio.
Após o fim da tumultuada sessão, diversos deputados entoaram, ainda no plenário, versos da canção “Grândola, Vila Morena”, considerada um hino informal do movimento que pôs fim à ditadura lusitana.Em vídeo, Lula se revolta com quebra-quebra em Brasília 
Lula deixou a Assembleia da República pouco após discursar e foi direto para o aeroporto, de onde viaja para Madri, na Espanha, último destino de sua viagem oficial à Europa.
Na saída, o petista chamou de “papelão” a postura dos parlamentares que o vaiaram. “Às vezes lamento porque as pessoas, quando não têm uma coisa boa para fazer, fazem essa cena de ridículo”, disse ele a jornalistas.
“Mas quem faz política está habituado a isso. Acho que essas pessoas, quando voltarem para casa e deitarem a cabeça no travesseiro, vão falar: que papelão nós fizemos.”Ex-GSI Gonçalves Dias nega envolvimento em atos golpistas
O presidente do Parlamento luso, o socialista Augusto Santos Silva, repreendeu os parlamentares. “Os deputados que querem permanecer na sala têm de se comportar com urbanidade, cortesia e educação. Chega de insultos, de degradarem as instituições, de porem vergonha no nome de Portugal.”
A fala de Lula no Parlamento gerou polêmica antes mesmo de acontecer. A informação de que o brasileiro faria uma intervenção nas celebrações oficiais da Revolução dos Cravos, uma das principais datas do calendário político português, foi divulgada por um ministro do governo, sem acordo prévio com os deputados.Ministro Gonçalves Dias, do GSI  pede demissão a Lula
Contrariados com o que consideraram quebra do princípio de separação de Poderes, líderes dos partidos decidiram não aprovar a participação do petista na sessão comemorativa. A saída diplomática para o imbróglio foi organizar uma sessão separada, antes daquela que celebra oficialmente o aniversário da revolução.

Fonte: DOL – Diário Online – Portal de NotÍcias 

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo